17 de julho de 2023

Gripes e resfriados durante o inverno: docente do curso de farmácia alerta sobre cuidados e tratamentos 

A professora relatou também sobre a importância de não exceder na automedicação e os riscos que essa ação pode trazer para a saúde da população

Segundo dados levantados pelo Ministério da Saúde, o número de brasileiros que desenvolveram sintomas relacionados à gripe ou ao resfriado aumentou durante o período do inverno de 2022. Neste contexto, é comum que as pessoas busquem a automedicação com o intuito de aliviar os sintomas trazidos por estas enfermidades. Entretanto, mesmo procurando soluções rápidas, é importante frisar a importância do diagnóstico médico, em casos de sintomas persistentes, e do papel fundamental dos farmacêuticos que podem fornecer informações sobre a posologia adequada, efeitos colaterais, contraindicações e esclarecer dúvidas sobre medicamentos de venda livre, auxiliando no uso correto dos medicamentos e na prática do autocuidado.

Com a inevitabilidade do aumento nos casos de gripes e resfriados, torna-se essencial entender como evitar o desenvolvimento desses sintomas, bem como as maneiras de não aumentar suas propagações. Segundo a professora do curso de farmácia da Unifacisa, Thamara Rodrigues de Melo, a gripe e os resfriados são transmitidos, principalmente, através do contato com a saliva ou o muco de pessoas infectadas. “A prevenção acontece com a adoção de hábitos simples: evitar mudanças bruscas de temperatura; lavagem com frequência das mãos ou uso de álcool; não compartilhar objetos pessoais; evitar tocar os olhos, boca e nariz; uma alimentação balanceada; prática de  exercícios e o uso de máscara.”, disse. Outra atitude extremamente importante que pode e deve ser tomada é “a atenção para que todos tomem as vacinas disponibilizadas nos postos de saúde. Esses imunizantes têm a função de reduzir a carga da doença, prevenindo hospitalizações, mortes e consultas ambulatoriais, além de reduzir a sobrecarga sobre os serviços de saúde.”, destacou a farmacêutica.

Em caso de aparecimento dos sintomas gripais, a docente explicou que alguns tratamentos farmacológicos comuns podem ser iniciados sem prescrição médica e que estes tratamentos, muitas vezes, estão focados no alívio destas manifestações enquanto o organismo combate o vírus. Assim, “medicamentos isentos de prescrição (MIPs), como alguns tipos de analgésicos para alívio de dores no corpo e febre podem ser iniciados.”, relatou. Como auxílio para parte do tratamento não medicamentoso, recomenda-se “a lavagem nasal com soro fisiológico que tem um papel estratégico. A ação provoca um efeito de descongestionamento ao ajudar na desobstrução das vias aéreas. O método também auxilia aqueles que sofrem de rinite alérgica e sinusite. Além da importância do repouso relativo e aumento da ingestão hídrica que também auxiliam no tratamento.”, recomendou. 

Contudo, segundo Thamara, apesar dos MIPs não necessitarem de receita para serem comprados, é preciso estar bastante atento ao uso destes medicamentos. Por serem de fácil acesso ao consumidor, o uso excessivo destes fármacos abrem espaço para os perigos da automedicação. “A utilização incorreta de medicamentos pode apresentar diversos riscos como o mascaramento de condições de saúde subjacentes mais graves. Além disso, doses inadequadas e o uso prolongado podem causar efeitos colaterais indesejados, agravos à saúde e, em alguns casos, a morte.”, advertiu a profissional. O surgimento de novos sintomas após o início de algum tratamento farmacológico “pode ser um alerta de que o tratamento atual não está sendo eficaz ou que existe uma condição subjacente mais complexa. Nesses casos, é importante procurar atendimento médico para uma avaliação, diagnóstico e tratamento adequado, se necessário.”, reforçou.

Por fim, Thamara frisou que “é fundamental conscientizar o público sobre os riscos da automedicação e que a orientação do farmacêutico deve ser sempre buscada antes do início de algum tratamento. Cada indivíduo é único e pode ter particularidades de saúde que exigem uma abordagem personalizada. Além disso, a orientação médica também deve ser buscada para uma avaliação adequada e prescrição dos medicamentos necessários. A segurança e o bem-estar de todos são promovidos quando há um cuidado responsável e um diálogo aberto com os profissionais de saúde.”, concluiu. 

Por André Bojim - Assessoria de Imprensa Unifacisa

Conheça outras novidades da Unifacisa

Veja mais notícias

Confira os Cursos da Unifacisa

Graduação
Pós Médica
Residência Médica
Fellowship

Está com dúvidas?

Temos uma turma pronta para te atender!

Conheça mais opções

Fale no WhatsApp

Tire suas dúvidas
Falar agora

Ligar

83 2101 8877
Ligue agora

Deixe uma mensagem

Deixe sua mensagem e nós entramos em contato com você
Enviar mensagem

Repositório Acadêmico

Editais, portarias, resoluções e outros documentos
Acesse agora

Manual do Candidato

Referente ao processo seletivo 2024.1
Fazer download

Sou Unifacisa

Acesso aos principais ambientes para alunos e colaboradores
Acesse agora

Unidades

Unifacisa - Campus Itararé

Av. Sen. Argemiro de Figueiredo, 1901 Itararé, Campina Grande - PB 58411-020
Abrir no maps

Unifacisa/Esac - Campus Catolé

R. Luíza Bezerra Mota, 200 Catolé, Campina Grande - PB 58410-340
Abrir no maps
CESED - Centro de Ensino Superior e Desenvolvimento Ltda.
© 2024 Todos os direitos reservados.
CNPJ: 02.108.023/0001-40
Tire suas dúvidas
crossmenu